Saúde

Go­ver­no vai con­tro­lar va­ci­na­ção con­tra Co­vid-19 pe­lo CPF

Mi­nis­té­rio da Saú­de es­pe­ra ter até 305 mi­lhões de do­ses de va­ci­na no pró­xi­mo ano, 140 mi­lhões de­las já no pri­mei­ro se­mes­tre

O Mi­nis­té­rio da Saú­de vai exi­gir o do­cu­men­to do CPF pa­ra dar aces­so a uma fu­tu­ra va­ci­na da Co­vid-19 no país. A ideia se­rá mo­ni­to­rar mais de per­to a es­tra­té­gia de imu­ni­za­ção, pa­ra ma­pe­ar even­tu­ais re­a­ções ad­ver­sas, evi­tar apli­ca­ção de va­ci­nas di­fe­ren­tes em uma mes­ma pes­soa, en­tre ou­tros pon­tos.

— Se nós não ti­ver­mos o con­tro­le, o pa­ci­en­te po­de tomar uma do­se da va­ci­na A, e te­mos que evi­tar que ele to­me uma se­gun­da do­se da va­ci­na B. Ter es­sa ras­tre­a­bi­li­da­de é mui­to im­por­tan­te — dis­se Jac­son Venâncio de Bar­ros, di­re­tor do De­par­ta­men­to de In­for­má­ti­ca do SUS, em en­tre­vis­ta à im­pren­sa on­tem.

Bar­ros afir­mou que um cer­ti­fi­ca­do de va­ci­na­ção po­de­rá ser ex­pe­di­do pe­la in­ter­net, as­sim co­mo é pla­ne­ja­da a “tão so­nha­da carteira na­ci­o­nal di­gi­tal de va­ci­na­ção”. Se­gun­do os pla­nos da pas­ta, o serviço de­ve­rá ser dis­po­ni­bi­li­za­do em si­tes e apli­ca­ti­vos do SUS.

A pas­ta afir­mou ain­da que 10% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra (20,2 mi­lhões) po­de­rá ser imu­ni­za­da por meio do con­sór­cio in­ter­na­ci­o­nal Co­vax Fa­ci­lity. Os gru­pos pri­o­ri­tá­ri­os es­tão de­fi­ni­dos: 4,4 mi­lhões de pes­so­as com 80 anos ou mais, 10,7 mi­lhões com co­mor­bi­da­des e 5 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res em saú­de.

Se­gun­do o go­ver­no, já há con­tra­to pa­ra 40 mi­lhões de do­ses (es­ti­ma-se que ca­da pes­soa te­nha de re­ce­ber du­as de­las), a um cus­to de cer­ca de US$ 10,92. Já foi re­a­li­za­do um pri­mei­ro pa­ga­men­to no va­lor de R$ 830 mi­lhões pe­la ade­são ao con­sór­cio Co­vax, que ho­je abran­ge o de­sen­vol­vi­men­to de no­ve va­ci­nas. O go­ver­no pu­bli­cou Me­di­da Pro­vi­só­ria re­ser­van­do R$ 2,5 bi­lhões pa­ra a ini­ci­a­ti­va.

Mas o go­ver­no es­tu­da ain­da a de­fi­ni­ção de cri­té­ri­os pa­ra a in­cor­po­ra­ção de uma ou mais fu­tu­ras va­ci­nas ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Imu­ni­za­ção, quan­do hou­ver pro­du­ção em es­ca­la. A pas­ta pre­vê que, até de­zem­bro, te­nha de­fi­ni­do os pa­râ­me­tros, co­mo gru­pos pri­o­ri­tá­ri­os e ou­tros de­ta­lhes.

OX­FORD É MAI­OR APOS­TA

A mai­or apos­ta, até ago­ra, é a va­ci­na de Ox­ford, cujo con­tra­to do go­ver­no fe­de­ral com o la­bo­ra­tó­rio As­tra­Ze­ne­ca pre­vê 100 mi­lhões de do­ses no pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem, e pro­du­ção na­ci­o­nal em se­gui­da. O va­lor es­ti­ma­do é de US$ 3,16 por do­se.

São 100 mi­lhões de do­ses da va­ci­na de Ox­ford tam­bém já con­tra­ta­das pa­ra o pri­mei­ro se­mes­tre, se­gun­do o go­ver­no, e uma pre­vi­são de mais 165 mi­lhões no se­gun­do se­mes­tre. Com es­se mon­tan­te, so­ma­do às 40 mi­lhões ori­gi­na­das da Co­vax, o go­ver­no tra­ba­lha co­ma es­ti­ma­ti­va de 305 mi­lhões de­dos e sem 2021.

O se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da pas­ta, Él­cio Fran­co, vol­tou a di­zer que o mi­nis­té­rio es­tá aten­to a to­das as op­ções de va­ci­na e que re­pre­sen­tan­tes do Ins­ti­tu­to Bu­tan­tan fo­ram re­ce­bi­dos on­tem pa­ra tra­tar da chi­ne­sa Co­ro­na­vac, que o go­ver­no de São Pau­lo vem apoi­an­do:

— Es­ta­mos ze­lan­do e pri­man­do pa­ra, a par­tir de ja­nei­ro, es­tar dis­po­ni­bi­li­zan­do a va­ci­na no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Imu­ni­za­ção. (R.M.)

Por O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios